amigos da pilha do talvez

Oi pessoal,

married-single

Voltando ao tema amizades:

Acho muito triste quando as pessoas segregam os amigos casados e comprometidos dos solteiros. O povo não te convida mais só porque mudou o status do facebook? Qual é?

Quando começamos a namorar é normal dar uma afastada mas é preciso voltar pra turma. Sumir de vez é um erro grave que cometemos e eu tinha decidido não voltar a cometer certo? Mas manter as amizades é muito mais difícil do que parece.

Qdo convido td mundo muito frequentemente escuto um “vai alguem q tb é solteiro? Senão nao vou” – pow td mundo é amigo e sempre andou junto. O que é isso agora??

E tb acontece que casais nao chamam solteiros dizendo que fulano nao quer ir mesmo (e muitas vezes é verdade).

E solteiros nao chamam fulana(o) pq ele/ela ta namorando e nao vai querer vir sozinha(o). pq sozinha(o)? pq o namorado(a) nao pode ir junto?

Claro que tem eventos e eventos mas as pessoas generaliz mesmo. pombas, Eu gosto das pessoas – mesmo qdo o pacote muda de single pra double ou mesmo family. Mas blz, as pessoas nao precisam se encontrar. Afinal sempre tem o facebook nao é mesmo? #sóquenão

Deixar de ser convidada para alguns eventos é chato. Magoa. Sabe aquele lance de amizades tipo net deixando um rastro de rejeição e mágoa? Pois é. Passei a perceber que não era convidada e a desculpa que sempre ouço é a de que só os solteiros foram convidados.

Mentira. A gente convida quem quer ter por perto – solteiro ou não. Quem não faz tanta diferença, deixamos na pilha do talvez – essa pilha é  acessada somente quando não vai dar quorum suficiente e precisamos de mais gente nem que seja esse povo aí que não cheira nem fede.

ODEIO fazer parte da pilha do talvez e é muito óbvio quando fazemos parte dela. Eu sei que todos tem o direito de escolher com quem querem estar etc etc e tal. Mas vamos evitar de fazer uso da pilha do talvez? Nada de convites falsos de última hora.

Quando identifico que alguém me colocou nessa pilha fico brava, coloco a pessoa na geladeira, não aceito o convite fake. Parece que saí por cima mas não. Dói e muito.

Então vocês tem todo o direito de me colocar na sua pilha do talvez mas tente ser discreto(a) okay? Também tentarei fazer o mesmo com o povo da minha pilha do talvez  – não sei se tem alguém lá, preciso revisar.

Abração e até a próxima!

Anúncios

TV shows – English coaches

Oi pessoal,

Eu adooooro as séries americanas. Sempre digo que aprendi inglês com rock’n’roll e Friends. Sou viciada em Friends, tenho todas as temporadas em DVD, comprei essas caixas na época em que eram super hiper caras e também paguei uma grana pra ver o episódio final – faltavam meses pra passar no Brasil então comprei um DVD do último capítulo no amazon porque não aguentaria esperar.

friends_season_finale

A TV a cabo virou minha companheira, nem ligo mais pra TV aberta. Sony, Warner, AXN, Universal são meus canais favoritos. As minhas sérias favoritas atualmente são The Big Bang Theory e Grey’s Anatomy mas gosto mesmo das reprises de Friends, Louco por Você, Will and Grace, Seinfeld, Two and a Half Men. Ainda não peguei amor pelas séries favoritas dos canais  como Revenge e Once Upon a Time, eles querem por que querem que a gente assista – passam quase o dia todo, sem falar nas maratonas nos fins de semana.

Adquiri o hábito de não olhar pras legendas, só pra praticar inglês. As vezes não entendo algumas coisas mas no geral não afetam a compreensão. Ao prestar atenção nas palavras aprendemos muito vocabulário novo e fixamos melhor palavras que já conhecemos mas quase não usamos.

Quem quiser praticar ainda mais pode usar os DVDs com legendas em inglês, parar e anotar todas as palavras desconhecidas, procurar o significado e ver o capítulo novamente. Ajuda muito mas entendo que só quem é muito doido ou por inglês ou pelas séries (ou os dois, como é o meu caso) vai ter saco pra fazer isso…

Eu recomendo séries de comédia porque o vocabulário é mais simples e útil, são palavras que vamos precisar saber se formos pra países de língua inglesa. Principalmente as piadinhas de duplo sentido que os americanos adoram. Aí quando você estiver nos EUA e alguém vier com uma piadinha dessas você não vai ficar olhando com aquela cara sem graça e olhar vago de quem não entendeu bulhufas. Vai olhar com uma cara de “sério que vc acha isso engraçado? me poupe.” só pra dar uma esnobadinha eheh.

Só não aconselho pirar nas expressões idiomáticas – soa meio estranho. É mais ou menos como ver um estrangeiro que está aprendendo o português dizendo coisas como “mano, a parada tá sinistra”. Use com parcimônia.

Ah e evite séries como CSI, Criminal Minds etc., pelo menos se o objetivo for estudar ingles. Isso porque o vocabulário é muito complexo e não vamos usar muito no dia a dia. A menos que você vá arranjar um trabalho como perito ou investigador nas terras do tio Obama. Ou vá paquerar um/uma.

Abração e até a próxima.

Medo de falar em público

Oi pessoal,

cat_scared

Participei neste fim-de-semana de um treinamento chamado técnicas de apresentação e oratória (TAO) do Inexh (Instituto Nacional de Excelência Humana).

Um pequeno resumo da minha saga pra vencer o medo de falar em público:inexh

Sou bem tagarela, converso até com o poste se não tiver ninguém por perto. Então todos assumem que não tenho problema ao falar em público e eu sempre me via em situações em que tinha de brigar com todo mundo recusando, empurrando a tarefa pra outras pessoas. Nem brincando a coisa melhorava – no aniversário de um ano da filha de uma amiga eu nem consegui participar de uma atividade com os adultos presentes, de peruca e acessórios ridículos. Empaquei, fiz cara feia e não teve jeito de me arrastarem para o palco junto com os outros.

Cada vez que eu precisava recusar qualquer um desses convites, eu sofria muito. Sofria ao pensar na possibilidade de me expor e sofria ao ter que dizer não para algo que certamente seria bom pra mim – seja na minha carreira, seja pra diversão mesmo.

No início do ano participei do DL (desenvolvimento e liderança) do Inexh. Conheci o DL através do meu namorado. Esperei o meu momento certo e fui. Não acredito ser possível descrever o que esse treinamento me proporcionou – portanto direi apenas que aprendi que eu posso alcançar meus objetivos. EU POSSO.

Minha terapeuta Laura Monteiro então me recomendou fazer um curso de teatro. Encontrei um curso perfeito no Teatro Escola Macunaíma.  Chama-se pró-ser, um curso destinado a pessoas que querem se beneficiar das técnicas do teatro mas não pensam em seguir carreira como atores.

A terapia vem me proporcionando um crescimento pessoal significativo – consigo ver meus problemas e atacá-los um por um. Então um dia me vi pronta pra encarar o DL de peito aberto, mergulhei de cabeça nas atividades. Passei a me conhecer melhor e dei um passo adiante na minha evolução pessoal.

O teatro me ajudou a liberar a criança interna, tadinha, ela não brincava desde os meus 5 anos acho. Jamais teria conseguido fazer esse curso sem a terapia e o DL. Fiquei surpresa ao me ver muito tranquila nas aulas, brincando e aprendendo.

taoEntão decidi finalmente deixar pra tras essa Lucimara que não consegue falar em público. Havia chegado o momento de encarar o tal do TAO. A experiência é inesquecível – fiquei imaginando a gente enfrentando um dragão. Ficamos rodeando o bicho feio e ameaçador, nos armamos (aprendemos técnicas e ferramentas pra ajudar), traçamos estratégias e avançamos! E passamos a ser companheiros de uma batalha épica em que saímos vencedores.

Foi INCRÍVEL !!

Acredito que o crescimento é proporcional ao tamanho da barreira a ser transposta. Pra mim era a muralha da china. Okay que ela já estava capenga depois do DL e do pró-ser mas ainda faltava derrubá-la. Estou muito feliz!

cat_lion.j´g

Agradeço a Ingrid Gielow que foi nossa lider nessa grande batalha e ao Inexh por disponibilizar um curso que parece ter sido feito especialmente para mim. Vocês fazem a diferença!

E agradeço principalmente a Deus por ter a oportunidade de fazer todos esses cursos e a terapia. Eu não conseguiria sozinha!

Grande abraço e até a próxima.

Este é o meu nome, meu nome, meu nome

Oi pessoal,

Não é super hiper mega irritante quando alguém erra seu nome?

desperateandangryhousewife

Meu nome é Lucimara e frequentemente me chamam de Luciana. Tive um chefe que depois de sete anos ainda me chamava de Luciana as vezes. Quando ligo para o SAC de alguma empresa sempre rola uma conversa assim:

– Senhora Luciana?

– Não, meu nome é Lucimara.

– Ah desculpe! Em que posso ajudar senhora Luciana.

– Errrrr… bem, poderia começar me chamando de Lucimara.

Ô dificuldade!! Hoje me enviaram um email em que me chamavam de Jamira. Jamira? Pô, o que é isso, codinome para alguém que é super fã do jamiroquai ? Tá bom, pode ser que isso seja um nome comum em outros países mas de onde tiraram isso? O pior é que esse email era uma resposta a um email que eu enviei. Ou seja, não era uma mala direta com erro de cadastro.

O meu cartão do banco diz que meu nome é Luciamara. Não fui arrumar porque é um banco xinfrim e eu teria de ficar esperando horas na fila. Deixa assim.  Na renovação eu atualizo.

O Dale Carnegie diz em seu livro “Como fazer amigos & influenciar pessoas”  que não existe som que amamos mais que nosso próprio nome. E é verdade! Quando alguém nos chama pelo nosso nome nos sentimos importantes. E quando descobrimos o nome de alguém, esse alguém passa a ser uma pessoa. Nos interessamos por ela, sabemos da existencia dela.

O nosso nome vira até um slogan forte como o do finado Enéias. Ninguém se esqueceu dele!

O MEU NOME É LUCIMARA.

That’s my name, my name, my name…

Abração e até a próxima!

Insônia

Oi amigos,

Ai que saco ter insônia!! Preciso acordar cedão amanhã e não consigo pregar o olho. Vou fazer um curso e estou MEGA ansiosa… Aí não adianta, o sono não vem. Deu muita vontade de ir reclamar no facebook e/ou no twitter mas decidi escrever um post aqui.

garfield_insonia

Eu quero muito dormir e estar bem amanhã – só que não tá rolando não. E ainda por cima tá passando aquele filme fofo Legalmente loira. Não consigo não ver !! É demais ver preconceitos sendo derrubados e a loira linda, maravilhosa, vaidosa, alegre e simpática mostrar sua inteligência e competencia. Elle Woods rocks !!

legalmente-loira08

Só a Reese Witherspoon poderia fazer tal papel. É possível acreditar na inteligencia dela mesmo com tanta peruagem. Toda mulher pode deixar a peruagem aparecer solta depois desse filme. Não precisamos querer parecer barangas pra sermos respeitadas. Tá bom, ainda precisamos ter muuuito cuidado com homens engraçadinhos que não entendem limites. Mas NINGUÉM tem o direito de achar que não somos inteligentes por causa da aparência.

Aliás, ninguém deve julgar ninguém por causa da aparência. Dá-lhe Susan Doyle!

Lembrei agora daquela série drop dead diva em que uma modelo linda morre e acorda no corpo de uma advogada gordinha, também muito linda, de coração bom e super competente. Torna-se uma pessoa muito melhor do que antes quando era modelo mas precisa enfrentar e vencer preconceitos.

Tô aqui torcendo pro meu sono vir logo. Depois vou escrever sobre o curso que me está tirando o sono, espero que seja tão bom quanto estou imaginando! Vou sofrer, mas encarar medos nunca é fácil.

Abração e até a próxima!

Crepes & Waffles

Oi pessoal,

crepesewaffles

Quem aí já teve oportunidade de ir aos EUA certamente provou os waffles. Provavelmente quentinhos, no café da manhã. Huuuum que delícia!! Eu gosto dos meus waffles quentinhos, com manteiga e maple syrup (um xarope docinho muito popular nas terras do tio Obama).

É possível encontrar sobremesas chamadas waffles americanos em vários restaurantes de São Paulo, normamente servidos com calda de chocolate e sorvete. Também delicioso mas não é aquele dos EUA, aquele que me faz pensar na minha viagem que tive a sorte de poder fazer e que um dia farei novamente. Ah comidinhas gostosas tem o poder de nos transportar para momentos felizes como viagens inesquecíveis, jantares especiais com pessoas maravilhosas, festas, comidinha da mamãe e da vovó,  infância, etc. Como naquela cena fofa do filme Ratatouille em que o crítico malvado prova o ratatouille que o lembra da comidinha de sua mãe que sempre o deixava feliz não importa o quão difícil seu dia tivesse sido? Cá está a cena pra quem não viu.

Enfim, voltando aos waffles. Outro dia encontrei um restaurante de origem colombiana chamado Crepes & Waffles no shopping Analia Franco (zona leste). Também tem uma unidade no shopping Vila Olimpia. Eles servem crepes, sopas, saladas, sobremesas entre outras coisas. Tomei um chai (chá indiano que leva leite, açúcar, cardamomo, gengibre e outras especiarias) que achei uma delícia mas um pouco pesado – coma pouco se for experimentar. E claro, provei o waffle com manteiga e maple syrup. Não é exatamente igual ao dos EUA, o waffle é mais baixo e a manteiga não é tão cremosa como a de lá. Mas o sabor é bem parecido e serve pra matar a saudade.

A propósito, a pronúncia certa de waffle parece com uófol (veja no cambridge online) – não é ueifol como nós falamos aqui. Claro que essa pronúncia já virou português então é ueifol mesmo.

Não é tão barato, gasta-se uns 40-50 reais por pessoa em média. Pode-se gastar mais com pratos quentes, sobremesa, entradas, bebidas.

Enjoy!! Espero que vocês gostem!

Abraços e até a próxima!

Generosidade e educação

Oi pessoal,

Hoje precisei andar de trem/metrô – normalmente não ando porque não tem estações perto de casa, mas hoje tinha um compromisso na zona norte e o meu trabalho fica perto de uma estação de trem da linha 9 – esmeralda (aquela cheirosa da marginal do Pinheiros). Aproveitei pra deixar o carro paradinho na garagem e fui pra estação. Fiquei lá esperando um tempão. Tá bom, não sei se demorou tanto assim ou se pareceu uma eternidade por causa do cheiro delicioso e da friaca que fazia. Aí peguei o trem, desci na estação pinheiros e peguei a integração pra linha amarela do metrô. Fui até a luz, depois passei pra linha azul do metrô e então cheguei a estação tiradentes. Parece um trabalhão mas até que é tranquilo.

O que me impressionou foi a quantidade de gente que circulava por lá as 13 horas, nem é hora do rush nem nada! E o povo apressado te corta na fila da escada rolante, te empurra pra entrar na sua frente no vagão do trem, não dá vez para os idosos, não dá vez para os deficientes. É uma pressa generalizada e não é só no metrô/trem. Basta ver o povo no transito: enquanto uns civilizadamente esperam um tempão na fila, sempre tem um idiota que se acha mais espertão e corta lá na frente. Parar na faixa de pedestre pode ser perigoso porque o carro de trás pode vir com tudo e causar um acidente. Quando consigo parar, certeza que vou tomar uma buzinada raivosa. Aliás, dê uma vaciladinha procurando a rua que você precisa virar pra tomar uma buzinada. E depois o cara (ou a moça) que buzinou passa devagarinho, emparelha com seu carro, abre a janela e olha feio (ou até xinga). Ninguém tem paciência pra nada! Todo mundo entra no carro e vira o Senhor Volante (vocês lembram??):

Por isso hoje no metrô fiquei muito impressionada com uma cena que presenciei. Um senhor cego estava aguardando o metrô. Um funcionário o ajudou a embarcar. No desembarque, nenhum funcionário estava lá pra ajudar. Fiquei andando devagar atrás dele esperando pra ver se ele precisaria de ajuda. Antes que eu precisasse fazer qualquer coisa, um homem ofereceu seu braço para que o senhor cego pudesse chegar ao destino com tranquilidade e segurança. Tudo bem que isto não deveria ser uma coisa rara mas infelizmente hoje em dia ninguém tem tempo pra ajudar ninguém. Porém não desistam, este mundo tem salvação! Ainda vemos exemplos de generosidade e educação aqui e ali.

Pra quem quiser aprender mais sobre como ajudar a um deficiente da maneira correta, vejam este link da prefeitura de São Paulo. Afinal não basta oferecer o braço – é preciso andar no ritmo certo, avisar quando houver obstáculos e não constranger a pessoa. É sempre bom saber como ajudar!

E nada de tentar enganar o ceguinho, estilo Mr. Bean hein???

Abração e até a próxima!

PS: perdão a quem se ofender com os termos não politicamente corretos que usei aqui… o certo seria deficiente visual. Peço desculpas a quem se ofendeu, não foi a intenção.