2014: tudo de bom!

Oi pessoal,

downloadAh o ano está acabando e estou querendo que ele acabe logo pra que eu possa ficar toda cheia de motivação e esperança com a chegada de um novo ano. Li dois textos ótimos hoje sobre o final do ano, o do meu amigo Claudio Chamun e o da Tati Bernardi – suas opiniões são muito interessantes e fazem todo sentido,

Mas sou da turma dos que adoram a virada do ano e acreditam na magia da renovação: é mais ou menos como quando corro uma corrida longa – no final estou super cansada, louquinha pra ver a linha de chegada. Quando chego lá, fico muito emocionada com a minha conquista (se foi boa) ou fico muito feliz porque acabou (se  foi ruim) mas em ambas as situações fico tomada por uma motivação que vem sei lá de onde para o próximo desafio.

Ah,  adoro pular ondinhas, usar roupa branca, tomar espumante, brindar com os amigos! A festa da virada é sempre uma delícia! Sou daquelas que ficam pulando até o final da festa, adoro! Meio bobo, sem sentido? É, pode ser que sim. Mas eu me divirto e me motivo – então tá valendo! Cada um curte e se motiva como quiser e puder eheh. Sorte dos que chegam no fim da etapa sem cansaço – sinal de que o ano foi muito do “bão”!!

Pra mim 2013 foi um ano cheio de conquistas e algumas perdas; consegui riscar pendências da minha lista de resoluções, aprendi lições duras sobre pessoas, amizades e sobre mim mesma, revi pessoas queridas, amei, me emocionei… foi um ano muito bom! Obrigada a Deus e a todas as pessoas que fizeram parte de mais este capítulo da minha vida. Não rolou praia mas a celebração da virada vai ser ótima!

E que venha 2014, nosso próximo desafio!

Abração e ÓTIMO 2014 PARA TODOS !!!

Anúncios

Mea culpa

Oi pessoal,

mea culpa

O meu post anterior gerou repercussão e algumas pessoas ficaram ofendidas pela minha posição contra os brasileiros que apoiam o americano da lista (é fácil de achá-la, digitem “lista do americano que odeia morar no Brasil” ou coisa parecida). Ao abrir suas opiniões de maneira tão enfática, as vezes a resposta vem enfática também porque esse foi o tom definido para a discussão. Peço desculpas se exagerei no tom da resposta no meu post e no facebook, não foi a intenção ofender ninguém, nem de maneira genérica e muito menos de maneira específica.

A minha intenção foi somente expor minha opinião e abrir um debate – muitas pessoas expuseram o porquê de concordar com o americano e eu entendo o protesto deles. Há muitas pessoas com motivo pra odiar o Brasil, principalmente (mas não unicamente) as vítimas da violência que infelizmente assola nosso país. Essas pessoas cansadas e machucadas vão odiar mesmo tudo que está associado ao local de seu sofrimento – com toda razão.

A essas pessoas, quero dizer que entendo seu ódio e peço desculpas se as ofendi – nunca foi minha intenção.

Continuo achando que a generalização do brasileiro como gentinha malandra é injusta. A gente sofre no exterior com esse preconceito que nós mesmos ajudamos a se perpetuar quando concordamos com essas listas. E continuo acreditando nas coisas boas do nosso povo e prefiro focar nelas.

Mas em uma coisa todos concordam – cada pessoa é responsável por suas ações, não importando onde estão. As pessoas de bem vão sempre lutar pra melhorar tudo enquanto que as do mal vão sempre encher o saco e tumultuar, afinal os malas e os malvados estão no mundo desde sempre. E todos devem buscar a felicidade onde ela estiver. Espero que todos encontrem!

Feliz 2014 para todos!

Mania de odiar o Brasil

Oi pessoal,

Está rolando na internet uma lista que um americano compilou sobre os motivos pelos quais ele odiou morar no Brasil. O cara menciona coisas que são altamente questionáveis como o fato de não ter muita comida congelada aqui (oi? comida fresca é ruim?) e o fato do brasileiro ser social – o que é uma opinião pessoal que entendo bem, eu mesma não sou das anfitriãs mais frequentes mas nunca nenhum amigo meu impôs sua presença na minha casa quando não convidado. Apenas questão de informar aos amigos das suas preferências e os que não sabem respeitar são malas e malas existem em qualquer país. Inclusive nos States.

Mas enfim, o cara tem todo o direito de ter odiado morar aqui e sorte dele (e nossa) conseguiu voltar pros EUA. O que me impressiona é que a lista é compartilhada por brasileiros que além de tudo confirmam concordar com todos os comentários do artigo.

Os brasileiros confirmam comentários como “o brasileiro não tem consideração com as pessoas fora do seu círculo de amizades”, “o brasileiro é agressivo, oportunista”, “o brasileiro não tem respeito pelo meio ambiente”, “os brasileiros são pessoas malandras, preguiçosas e quase sempre atrasadas” entre outras coisas. Não é uma lista que fala só de corruptos ou da administração “malandra”. Ela fala das pessoas que moram aqui, dos nossos costumes.

Quem quiser conferir todos os itens é muito fácil achar a lista, só ir no google e digitar “americano odeia morar no Brasil”.

A maioria dos brasileiros que diz concordar com a lista são pessoas que moram fora daqui atualmente.  Ficam maravilhados com a organização, a evolução de sociedades que já existem há muito mais tempo e que nos deixam no chinelo. E realmente deixam! Mas lembrem-se de que pessoas são pessoas – o povo brasileiro tem defeitos, claro! mas também tem qualidades. como todo povo no mundo. Não somos pessoas melhores, nem piores que ninguém. Temos particularidades e algumas pessoas se sentem mais a vontade em outras sociedades com outros costumes – mas diferente também não quer dizer melhor nem pior. 

Claro que tem gente desagradável, irritante, “malandra”, desonesta, etc por aqui. Lá nos EUA também tem. Em vários outros países que visitei também tem. Todas as sociedades precisam evoluir em uma questão ou outra (ou em várias, no caso). Mas ficar esfregando na cara dos outros a sua opinião de que vc é melhor do que o outro diz mais sobre você do que sobre quem vc critica. Resumindo, pra que mexer com quem está quieto?

images

Abraços brazucas cheios de afetividade, mas só pra quem gosta!

 

Também não é esse bicho de sete cabeças…

Oi pessoal,

fear

Este ano consegui finalmente riscar duas coisas da minha lista de resoluções de ano novo: vencer o medo de falar em público e o de dirigir na estrada. Já tava virando palhaçada, todo ano essas duas tarefas lá segurando lugar na lista, dando risada da minha cara. Ah me livrei delas!! BWAHAHAHAHAHA!!!

Era um saco falar sobre esses medos com as pessoas e ouvir frases como “ah mas pra que ter medo disso?” ou “também não é esse bicho de sete cabeças…”. Pra mim eram os bichos mais feios do mundo, com sete, vinte, duzentas cabeças horrorosas, todas olhando pra mim com aquele olharzinho blasé de quem diz VOCÊ NÃO CONSEGUE, DESISTA! Só quem tem fobias entende.

Fiz um curso chamado TAO – Técnicas de Apresentação e Oratória  (escrevi sobre o curso aqui) que me ajudou a melhorar meu estado mental antes de uma apresentação. Pronto, um medo já era. Okay, não foi tão fácil assim, foi uma jornada e o desfecho foi o TAO. Mas enfim, já era. Aí me toquei que esse ensinamento serve pra qualquer outro medo inexplicável que apareça, não é só pra apresentações!

Precisei dirigir até Campos do Jordão pois não havia nenhum outro motorista disponível e já havíamos reservado hotel. A princípio topei mas fiquei sem dias dormir apavorada com a idéia de pegar estrada pela primeira vez. Num dado momento lembrei dos ensinamentos do TAO e decidi mudar meu estado mental. Passei a mentalizar uma viagem tranquila. Quando as pessoas me perguntavam se estava nervosa, respondia que tinha certeza de que tudo daria certo. Acreditem se quiser, a tática funciona!

Fiquei ansiosa e tensa na estrada mas sabia que daria tudo certo. Cheguei a Campos com as costas e os ombros tensos e doloridos mas extremamente feliz por ter deixado mais um medo pra trás.

Depois disso fiz outras viagens tranquilamente. Por enquanto ainda dirijo somente de dia mas não tenho dúvidas que logo logo acumularei quilometragem pra passar pras viagens a noite.

É isso aí, medo pra que? JÁ ERA. 🙂

Sometimes, I feel the fear of uncertainty stinging clear
And I can’t help but ask myself how much I’ll let the fear
Take the wheel and steer

It’s driven me before and seems to have a vague
Haunting mass appeal
But lately I’m beginning to find that I
Should be the one behind the wheel

Whatever tomorrow brings
I’ll be there with open arms and open eyes yeah
Whatever tomorrow brings
I’ll be there I’ll be there

So, if I decide to waiver my chance
To be one of the hive
Will I choose water over wine
And hold my own and drive?

It’s driven me before and it seems to be the way

That everyone else gets around
But lately I’m beginning to find that when
I drive myself my light is found

Whatever tomorrow brings
I’ll be there with open arms and open eyes yeah
Whatever tomorrow brings
I’ll be there I’ll be there

Would you choose water over wine?
Hold the wheel and drive

Whatever tomorrow brings
I’ll be there with open arms and open eyes yeah
Whatever tomorrow brings
I’ll be there I’ll be there

(Incubus – Drive)

Piquenique no Jardim Botânico de São Paulo

Oi pessoal!

Hoje fizemos um piquenique no jardim Botânico de São Paulo para celebrar meu aniversário. Roubei a idéia de uma amiga do meu namorado, o aniversário dela foi um piquenique no parque Buenos Aires que fica em Higienópolis. É um parque lindo com um gramado próprio para esses eventos pois bichos de estimação não são permitidos naquele pedaço. Os bichinhos podem circular por todo o parque, menos naquele pedacinho do gramado. Num dia ensolarado é uma excelente escolha, as árvores refrescam e não fica abafado demais.

O Botânico foi idéia de outra amiga e eu adorei. Na minha opinião é o parque mais bonito da cidade. Infelizmente o dia estava chuvoso, o tempo não firmava e aí não deu pra aproveitar tudo. A previsão do tempo era meio desanimadora e eu procurei um local coberto dentro do parque. Fucei a internet e encontrei um lugar chamado castelinho, no final da trilha. É longinho, fomos correndo carregando um cooler cheio de bebidas e chegando lá o local já estava ocupado… Não eram nem 10 horas quando chegamos! Dica: Em dias chuvosos, chegue as 9 em ponto pra se instalar no castelinho.

O guardinha disse que havia um local coberto perto do restaurante – do lado da entrada. Então voltamos carregando tudo de volta e achamos umas mesas gostosas mas que não eram bem cobertas, o teto é vazado. O tempo parecia ter firmado então nos instalamos lá. Só que começou a chover e aí tivemos de sair de lá.

area parcialmente coberta

Já estávamos desistindo quando fomos informados de que havia uma área coberta mesmo, mas sem mesas. Fomos pra lá e estendemos nossa toalha de plástico no chão. Continuamos o piquenique tranquilamente até as 15 horas mais ou menos. Foi um dia muito gostoso, apareceram uns gansos e as crianças adoraram! Aliás, as crianças adoraram o lugar. Quando o tempo firmava elas corriam na grama. Quando chovia elas davam um jeito de se divertir na parte coberta.

Pretendemos voltar lá num dia sem chuva para explorar o parque – há muito o que ver e curtir. Excelente dica de passeio em São Paulo e é até uma vergonha dizer que demorei 36 anos pra ir lá!

Notas: Não é permitido levar animais de estimação no Jd. Botanico. Também não se pode entrar com balões e bexigas pois os animais podem acabar engolindo pedaços deixados pra trás. E o parque tem algumas regras, importante entrar no site e se informar. É possível levar banquinhos de plástico para pessoas mais idosas ou com qualquer restrição de mobilidade possam se sentar. Foi tranquilo estacionar, mas talvez seja uma boa idéia chegar cedo pra não ter problemas.

area coberta

area coberta

area coberta

area coberta

Abração!