Cara lavada?

Oi amigos!

argh

Estou tao fissurada em maquiagem que já faz um tempo que não me vejo de cara lavada pronta pra sair… De tanto brincar de tirar e por maquiagem praticando os looks que aprendo por aí (principalmente no site da Julia Petit [atualização – agora estou fã da Alice Salazar]) meus  olhos estão ficando irritados. Decidi dar um descanso pra pelinha fininha ao redor dos olhos no fim-de-semana, já que eu iria pra praia mesmo.

Durante o dia usei somente protetor solar no rosto e nos lábios. Foi uma redescoberta! Minha pele com as manchinhas novas (souvenir da temporada em Barcelona), meus cílios mirrados de japonesa… Até que gostei sabe?

Claro que à noite, saindo pra jantar no Manacá (restaurante badalado de Camburi), não consegui sair sem a minha make. Comecei pensando em fazer apenas a pele. Pó e corretivo né gente? Blush também né? hummm… o curvex é de lei e nem agride a pele.  Mas curvex sem rímel ? Ah, rimel vai. Bom… agora tá faltando um delineadorzinho pôxa. Ah, mas esta seria uma ótima chance pra eu usar minha paleta nova de sombras (branco, cinzinha, grafite, preto) da Avon (sombras da Avon são uma ótima dica, fixam bem e o preço é camarada). Acabei fazendo a make toda, que ficou uma bagunça pois fui colocando as coisas numa ordem maluca, conforme meu cérebro prosseguia com a negociaçao interna. Mas fiquei admirada ao notar como a maquiagem é importante pra mim hoje em dia.

Conheço garotas que passam pó, corretivo, rímel e batom mesmo na academia. Rímel a prova d’água claro… senão escorre né!

Outro dia vi um programa na tv (acho que era o Bridezilla, aquele em que a noiva fica tão estressada que é comparada ao Godzilla). A moça ia fazer uma limpeza de pele e ficou incomodadíssima ao se dar conta de que a câmera a filmaria de cara lavada. Começou a tapar o rosto com as mãos, a esteticísta explicava que assim não dá pra trabalhar. Então a bridezilla levantou e começou a gritar com a camera. Uma das mãos tapava o rosto e a outra enxotava o câmera, que não arredou pé.  Chorando, a noiva cancelou a limpeza de pele e disse que só faria se as cameras não estivessem por lá.

Tadinha da moça! E o pior é que ela era linda, não acredito que sem maquiagem ela fosse uma baranga horrorosa. Ô dó… mas também não era pra tanto né gente? Ou será que é?

Vamos pensar… Nossa, ficar o tempo todo de maquiagem deve dar um trabalho desgraçado. Já pensou? O homem só teria autorizaçao pra ver o rosto da mulher depois da noite de núpcias.  Aula de nataçao – proibida.  Tomar chuva? Desastre total. Praia? Só se for pra ficar na areia.

Maquiagem é ótimo, a gente se sente muito poderosa etc etc etc. Sem falar que preparar os looks é extremamente divertido! Mas nada de surtar e deixar a maquiagem alterar sua autoimagem! Somos lindas assim ao natural! Usamos as makes apenas para valorizar nossos traços e não para nos salvar da baranguice!!  E se um dia acontecer uma catástrofe e acabarem todas as maquiagens do mundo (calma calma, isto não aconteceu, estou apenas tentando seguir um raciocínio!), vamos mesmo assim sair na rua felizes e confiantes pois nossa beleza é mais profunda e verdadeira.

Agora deixe-me ir retocar a maquiagem. 😀

Beijo!

[OBS: Post publicado originalmente em 2010 no meu antigo blog]

Anúncios

Abra o olho!

Oi amigos!

Quando eu era criança não entendia muito bem porque as outras crianças me apontavam o dedo e me chamavam de japonesa, japoronga, japoneusa, sei lá mais o que… Ficava até brava com a minha mãe pois achava que ela que havia contado pras pessoas – afinal como elas poderiam saber que eu era japonesa?

Mais pra frente as crianças começaram a me mandar abrir o olho. Como assim, abrir o olho?? Mas meus olhos estavam abertos !! Também diziam que meus olhos eram rasgados. Não, não, estavam muito bem de saúde obrigada! Parece bobagem, mas demorei a entender que meus olhos eram diferentes dos das outras crianças e eram eles que me entregavam pra molecada – não tinha como negar a minha ascendência oriental – estava bem na minha cara.

tao1 Provavelmente não demorou tanto tempo assim mas aos 5 anos a vida parecia demorar uma eternidade pra passar!

Claro que isto foi meu contato inicial com as diferenças – hoje curto muito ser brasileira/japonesa e adoro meus olhos! Fico muito feliz que a beleza oriental está cada vez mais em voga com as musas Lucy Liu, Devon Aoki, Sabrina Sato, Daniele Suzuki entre outras. Gosto muito da Tao Okamoto, modelo fashion famosa internacionalmente. [atualização – essa Tao Okamoto é a Mariko do filme do Wolverine].

Lembrei de tudo isto ao ver o post de 13 de outubro da minha ídola Julia Petit:

Eu PIREI neste post sobre maquiagem para olhos orientais! Realmente, nossa maquiagem tem de ser um pouco diferente por causa da tal dobrinha. Eu até que tenho uma dobrinha mas na verdade, a sombra não aparece nas fotos pois minha pálpebra móvel é bem pequena.

A maioria dos orientais sabe do que estou falando, mas pra quem nao sabe aqui vai uma explicaçao:

Normalmente os orientais nao tem a tal da dobrinha, o que faz com que a pálpebra móvel simplesmente desapareça. Não tem lugar pra passar sombra!! Já vi senhoras que usavam delineador pra desenhar um risco que faria as vezes de dobrinha – abaixo da linha passavam sombra. O resultado ficava bem estranho, mas acreditem, isto era mais comum do que se imagina.

dobrinhas

A questao da dobrinha é tão séria pros orientais que existe até uma operação bastante popular no Japão pra fazer uma dobrinha!A moça da foto ao lado fez a operaçao – vejam como ficou.

Mas com dobrinha ou sem, os olhos orientais tem pouco espaço pra sombra – daí a dificuldade de fazer looks mais bacanas pra noite.

Vejam o vídeo no site da Julia Petit, a maquiadora Aline Naomi Miyazato mostra truques de maquiagem pra nós orientais arrasarmos num evento à noite.

AMEI as dicas e já estou aqui em casa na frente do espelho brincando de boneca comigo mesma! A Aline ensina EXATAMENTE o que eu queria saber – como fazer a maquiagem realmente aparecer sem ficar exagerada. As dicas servem pra olhos orientais com ou sem dobrinhas tá ?

[Atualização – a Alice Salazar fez uma maquiagem ainda mais legal. Vejam o antes e depois, é de babar!!]

É isso aí meninas! Mãos à obra!

Grande abraço!

Obs: este post foi originalmente publicado no meu antigo blog em 10/2010.

Molhos de shabu-shabu

Oi pessoal!

Eu republiquei o post sobre shabu-shabu porque deu muita vontade de fazer o prato aproveitando o friozinho que está fazendo em São Paulo. Aí choveram amigos querendo participar – o que é ótimo porque o shabu-shabu é um prato pra saborear com os amigos. Aliás, todos os pratos ficam melhores na companhia de pessoas queridas!

Então fui ao bairro da Liberdade comprar os ingredientes e me deparei com molhos prontos específicos pra shabu-shabu! Que prático!

Tem o Ponzu (molho cítrico para os legumes), o Pon shabu (também conhecido como ponzu shoyu – tanto para carnes quanto para legumes)  e o goma shabu (molho de gergelim e missô, ideal para carnes). Não são muito baratos, custam de 12 a 14 reais cada. Mas garanto pra vocês que a praticidade compensa! Mas quem quiser fazer os molhos, as receitas (vejam aqui) dão super certo.

Se você entrar na Marukai (rua Galvão Bueno, 34), vá direto a sessão de molhos. Perto do monte de molho pra yakissoba se encontram os molhos específicos para yakiniku, sukiyaki, shabu-shabu entre outros.

para carnes

Goma Shabu

para verduras

Ponzu

DSCF2999

Pon Shabu ou Ponzu Shoyu

Como mencionei antes, dá pra comprar a carne já cortada bem fininha. Procure carne para sukiyaki, ficam na sessão de congelados. Também não é barato (custa uns 47 reais)  mas vem um quilo e rende muito! E a carne fininha pega melhor os temperos.

Na Marukai também é possível encontrar todos os ingredientes e utensílios pra este prato  (inclusive o fogareiro e o gás butano). Estou fazendo propaganda gratuita, mas acho que todos que vão na Liberdade conhecem essa loja. É muito completa! Não se assuste com o tamanho da fila gigantesca, ela anda muito depressa.

Abraço!

 

 

Shabu-Shabu [publicação antiga]

Oi amigos!

Esta publicação foi copiada do meu blog antigo, que já saiu do ar! Então cá está novamente, shabu-shabu é uma ÓTIMA pedida para o friozinho que está fazendo em Sampa!
shabu_shabuOuvi outro dia o Istvan Wessel falando na Bandnews FM sobre um fondue chinês que ele corretamente chamou de Shabu-Shabu, prato MUITO comum no Japão. Existem até restaurantes especializados nesse prato por lá. Mas por aqui o prato não é conhecido, nem entre os descendentes. Eu mesma conheci através de um ex… o relacionamento se foi mas o shabu shabu ficou! Olha aí eu me esquecendo dos pratos que já estavam no hall da fama imaginário da culinária!

O Shabu Shabu é ideal para dias mais frios. Precisamos de um fogareiro que pode ser o de fondue mesmo ou então um desses de uma boca só que usa gás butano. Eu prefiro o fogareiro pois a chama é mais forte, é possível controlar a intensidade e uma lata do gás dura bastante.

Já vi esse fogareiro nas lojas camicado mas é mais barato na liberdade.

 

Coloque uma panela grande e funda no fogareiro. Eu uso uma assadeira com teflon dessas mais fundas. Encha com água e tempere como quiser, pode-se colocar um ou dois tabletes de caldo de carne (dependendo da quantidade de água e do gosto de cada um).

A idéia é colocarmos comida crua dentro dessa água e deixar que cozinhem nela. Conforme os alimentos vão sendo cozidos a água vai ficando mais e mais temperada. Por isso não estranhe se a refeição que começou como almoço durar até a janta. E é muito legal todo mundo ir se servindo e preparando uma comida que nunca esfria…

fogareiro_gas_butanoPodemos colocar na água fervente do shabu shabu:

– carne cortada bem fininha – na liberdade é possível comprar carne congelada para Sukiyaki, perfeita para shabu shabu também. Senão compre carne (pode ser filé mignon, contra-filé, alcatra, coxão mole, etc) e corte fininho. Quanto mais fininho mais fácil de cozinhar na água.

– frango cortado bem fininho. Lembrando que o frango precisa ficar mais tempo na água para cozinhar.

– salsicha cortada em pedacinhos

– ovo de codorna já cozido (colocamos na água só para esquentar)

– legumes diversos (acelga, repolho, cenoura, brócolis, couve-flor, agrião, etc)

– shimeji, shitake (prefiro cozinhar antes e deixar só pra aquecer na água)

– outros: use a criatividade!

Quando o alimento estiver cozido, tire da água e mergulhe num molhinho. Existem os tradicionais mas fique a vontade pra escolher um molho que mais lhe agradar !

Cada pessoa recebe uma cumbuquinha com arroz japonês e outras menores para os molhos. Assim ela pode se esbaldar com os molhos que quiser – direito a “refills” ilimitados! Pra facilitar pode-se colocar um pratinho também assim não sujamos o arroz com os molhos.

Molho que eu inventei – de curry: 

– um tablete de golden curry que já vem temperadinho, muito prático – escolha o nível que você preferir, tem do mais suave (1- mild) até o pretão (5 – hot).  Ah eu vou logo no hot, adoooro. Mas pra quem não está acostumado é meio forte… Se for do tablete pequeno use inteiro, se for do grande use só metade.

goldencurry

– 1/2 lata de creme de leite

– uma gema de ovo

– cebolinha (só a parte branca)

– manteiga

Derreta o tablete de golden curry em água fervendo. Reserve.

Numa panela, refogue a cebolinha na manteiga. Acrescente o curry derretido, a gema do ovo e o creme de leite. Mexa até virar um caldo homogêneo. Não deixe ferver.

Vejam os Molhos oficiais e maneira acho que mais oficial de preparar o shabu shabu, nós testamos um dia e foi uma festa.

O meu molho favorito desses aí é o de Missô.

Em tempo: Shabu shabu é uma onomatopéia que representa o barulhinho dos alimentos sendo cozidos na água quente.

Aproveitem!

itadakimasu !

Beijão!

Reiki

Oi pessoal,

Fui informada por amigas queridas que ontem (15 de agosto) foi o dia internacional do Reiki. Confesso que não sabia então fui procurar me informar – 15 de agosto de 1865 é a data do nascimento de Mikao Usui, criador do Reiki.

Pra comemorar a data (com atraso mas ainda valendo) publico aqui um post do meu antigo blog sobre o Reiki.

O Reiki me faz muito bem – conheci através da minha terapeuta e anjo da guarda Laura Monteiro . É uma técnica de canalização da energia através da imposição das mãos de forma a equilibrar a energia de quem a recebe – com a energia equilibrada a pessoa fica saudável (física e mentalmente).

Tenho dificuldade em tentar explicar o que sinto quando recebo o Reiki – só experimentando pra saber ! Mas posso dizer que sempre sinto um bem-estar incrível, uma paz suprema.

Gosto tanto de receber o Reiki que fui procurar aprender mais. Fiz dois cursos com minha mestra Angela Hosse e passei a aplicar Reiki em mim e nos meus amigos. Aplicar é quase tão bom quanto receber!

Minha mestra Angela Hosse enviou esta notícia sobre o Reiki publicada na revista Galileu, achei muito interessante e decidi divulgar:

Acupuntura e Reiki agora tem explicação científica – clique aqui

Quem tiver interesse em saber mais sobre os cursos, entre em contato com Angela Hosse  (angelahosse@terra.com.br).  Eu recomendo!

Um grande abraço!