ovos pochê

Oi amigos!

Eu sou viciada num programa de TV chamado Top Chef da Bravo TV (aqui no Brasil passa no canal Sony), um reality show de competição culinária. Ah eu gosto mesmo, os barracos, os perrengues, os micos, os fracassos… e claro, os pratos lindos, criativos.

Eu sempre vejo o povo fazendo ovos pochê e fiquei curiosa… perguntei ao google e ele me retornou um zilhão de receitas. O bom de ser uma cozinheira dummy nos tempos atuais é que o google sempre salva! Qualquer coisa que você queira cozinhar, só perguntar para o google – ele traz as receitas e vídeos.

Ovos pochê são ovos cozidos na água. A gema fica cozidinha por fora e mole por dentro. Claro que quem não suporta comer gema mole pode deixar o ovo mais tempo na água até dar o ponto certo.

Segui a receita do blog La cucinetta. Além de ser uma receita bem legal, o texto é uma graça! Quem quiser, pode procurar os trocentos vídeos no youtube que mostram exatamente como fazer. Basicamente é preciso esquentar água, colocar vinagre e sal (vão manter o ovo juntinho), esperar o tempo necessário (no mínimo 3 minutos), retirar com uma escumadeira, colocar num prato forrado com guardanapo pra chupar a água, temperar com sal e pimenta a gosto. Voilá!

Poachie

Poachie

Existem um utensílio bem legal que facilita o trabalho, chama-se poachie (esse da figura). Tinha um blog que fazia a comparação do ovo pochê feito com e sem o poachie mas agora a página não existe mais. Enfim, o poachie faz um ovo pochê bem redondinho, lindo! Nunca encontrei aqui no Brasil mas lá fora custa 5 USD.

Também vi um tipo de anel de metal que serve pra isolar o ovo na água assim ele não mistura e fica ajeitadinho – como mostrado no Brasil no Prato da chef super star Carla Pernambuco. Fiquei louca pra fazer essa receita também, devo experimentar em breve.

Mas o próximo passo será aprender a fazer eggs benedict, que são ovos poché com o tal molho holandês.

Abraço pessoal!

ovo poche

[Nota: eu tirei o link para o Brasil no Prato porque o canal Bem Simples foi comprado pela Fox Brasil e os conteúdos não estão mais disponíveis]

[Nota 2: este post foi publicado originalmente no meu antigo blog]

Anúncios

Molhos de shabu-shabu

Oi pessoal!

Eu republiquei o post sobre shabu-shabu porque deu muita vontade de fazer o prato aproveitando o friozinho que está fazendo em São Paulo. Aí choveram amigos querendo participar – o que é ótimo porque o shabu-shabu é um prato pra saborear com os amigos. Aliás, todos os pratos ficam melhores na companhia de pessoas queridas!

Então fui ao bairro da Liberdade comprar os ingredientes e me deparei com molhos prontos específicos pra shabu-shabu! Que prático!

Tem o Ponzu (molho cítrico para os legumes), o Pon shabu (também conhecido como ponzu shoyu – tanto para carnes quanto para legumes)  e o goma shabu (molho de gergelim e missô, ideal para carnes). Não são muito baratos, custam de 12 a 14 reais cada. Mas garanto pra vocês que a praticidade compensa! Mas quem quiser fazer os molhos, as receitas (vejam aqui) dão super certo.

Se você entrar na Marukai (rua Galvão Bueno, 34), vá direto a sessão de molhos. Perto do monte de molho pra yakissoba se encontram os molhos específicos para yakiniku, sukiyaki, shabu-shabu entre outros.

para carnes

Goma Shabu

para verduras

Ponzu

DSCF2999

Pon Shabu ou Ponzu Shoyu

Como mencionei antes, dá pra comprar a carne já cortada bem fininha. Procure carne para sukiyaki, ficam na sessão de congelados. Também não é barato (custa uns 47 reais)  mas vem um quilo e rende muito! E a carne fininha pega melhor os temperos.

Na Marukai também é possível encontrar todos os ingredientes e utensílios pra este prato  (inclusive o fogareiro e o gás butano). Estou fazendo propaganda gratuita, mas acho que todos que vão na Liberdade conhecem essa loja. É muito completa! Não se assuste com o tamanho da fila gigantesca, ela anda muito depressa.

Abraço!

 

 

Shabu-Shabu [publicação antiga]

Oi amigos!

Esta publicação foi copiada do meu blog antigo, que já saiu do ar! Então cá está novamente, shabu-shabu é uma ÓTIMA pedida para o friozinho que está fazendo em Sampa!
shabu_shabuOuvi outro dia o Istvan Wessel falando na Bandnews FM sobre um fondue chinês que ele corretamente chamou de Shabu-Shabu, prato MUITO comum no Japão. Existem até restaurantes especializados nesse prato por lá. Mas por aqui o prato não é conhecido, nem entre os descendentes. Eu mesma conheci através de um ex… o relacionamento se foi mas o shabu shabu ficou! Olha aí eu me esquecendo dos pratos que já estavam no hall da fama imaginário da culinária!

O Shabu Shabu é ideal para dias mais frios. Precisamos de um fogareiro que pode ser o de fondue mesmo ou então um desses de uma boca só que usa gás butano. Eu prefiro o fogareiro pois a chama é mais forte, é possível controlar a intensidade e uma lata do gás dura bastante.

Já vi esse fogareiro nas lojas camicado mas é mais barato na liberdade.

 

Coloque uma panela grande e funda no fogareiro. Eu uso uma assadeira com teflon dessas mais fundas. Encha com água e tempere como quiser, pode-se colocar um ou dois tabletes de caldo de carne (dependendo da quantidade de água e do gosto de cada um).

A idéia é colocarmos comida crua dentro dessa água e deixar que cozinhem nela. Conforme os alimentos vão sendo cozidos a água vai ficando mais e mais temperada. Por isso não estranhe se a refeição que começou como almoço durar até a janta. E é muito legal todo mundo ir se servindo e preparando uma comida que nunca esfria…

fogareiro_gas_butanoPodemos colocar na água fervente do shabu shabu:

– carne cortada bem fininha – na liberdade é possível comprar carne congelada para Sukiyaki, perfeita para shabu shabu também. Senão compre carne (pode ser filé mignon, contra-filé, alcatra, coxão mole, etc) e corte fininho. Quanto mais fininho mais fácil de cozinhar na água.

– frango cortado bem fininho. Lembrando que o frango precisa ficar mais tempo na água para cozinhar.

– salsicha cortada em pedacinhos

– ovo de codorna já cozido (colocamos na água só para esquentar)

– legumes diversos (acelga, repolho, cenoura, brócolis, couve-flor, agrião, etc)

– shimeji, shitake (prefiro cozinhar antes e deixar só pra aquecer na água)

– outros: use a criatividade!

Quando o alimento estiver cozido, tire da água e mergulhe num molhinho. Existem os tradicionais mas fique a vontade pra escolher um molho que mais lhe agradar !

Cada pessoa recebe uma cumbuquinha com arroz japonês e outras menores para os molhos. Assim ela pode se esbaldar com os molhos que quiser – direito a “refills” ilimitados! Pra facilitar pode-se colocar um pratinho também assim não sujamos o arroz com os molhos.

Molho que eu inventei – de curry: 

– um tablete de golden curry que já vem temperadinho, muito prático – escolha o nível que você preferir, tem do mais suave (1- mild) até o pretão (5 – hot).  Ah eu vou logo no hot, adoooro. Mas pra quem não está acostumado é meio forte… Se for do tablete pequeno use inteiro, se for do grande use só metade.

goldencurry

– 1/2 lata de creme de leite

– uma gema de ovo

– cebolinha (só a parte branca)

– manteiga

Derreta o tablete de golden curry em água fervendo. Reserve.

Numa panela, refogue a cebolinha na manteiga. Acrescente o curry derretido, a gema do ovo e o creme de leite. Mexa até virar um caldo homogêneo. Não deixe ferver.

Vejam os Molhos oficiais e maneira acho que mais oficial de preparar o shabu shabu, nós testamos um dia e foi uma festa.

O meu molho favorito desses aí é o de Missô.

Em tempo: Shabu shabu é uma onomatopéia que representa o barulhinho dos alimentos sendo cozidos na água quente.

Aproveitem!

itadakimasu !

Beijão!

Filé mignon suíno

Oi pessoal,

Pra acompanhar o risoto de alho negro e a salada, meu namorado fez esta receita de filé mignon suíno pra aproveitar a carne que eu havia comprado no mercado sem ter muita idéia de como cozinhar. Era um pedaço de um pouco menos de um quilo, já temperada e embalada a vácuo, não lembro a marca. Comprei no carrefour, paguei por volta de 11 reais – o tempero era suave e não chocou com o tempero que foi adicionado.

A receita base é do site do André Nogal (veja aqui) – aliás, as receitas dele são ótimas e as fotos que ele publica são lindas.file mignon suino

Não deixamos a carne marinando no molho de um dia pro outro, mas já de pra pegar o gosto da marinada. Se ficou delicioso assim, imagine deixando de um dia pro outro?

O resultado foi tão bom que mesmo de barriga cheia (já havíamos atacado o risoto e a salada do outro post) não resistimos e atacamos o filé mignon também ! 

Bon appétit!

Alho negro – um achado!

Oi pessoal,

Este post estava no blog antigo, então decidi copiar aqui pois fui fazer a receita e não conseguia encontrá-la. Descobri que a receita original é do site black garlic (veja aqui – em inglês) e o site objeto de desejo publicou a tradução com um toque pessoal que eu adorei. O risoto foi um sucesso novamente! Pra acompanhar meu namorado fez uma receita de filé mignon suíno deliciosa (que vou publicar em seguida) e a mãe dele fez uma salada bem saborosa que levava alface, palmito, ovo cozido, azeitona e azeite.

Acabou que a carne demorou umas duas horas pra assar e acabamos atacando a salada e o risoto antes. Mas quando a carne saiu estava tão gostosa que atacamos mesmo de barriga cheia.

Post de 04/04/2013:

Ainda no assunto comida, quero falar sobre o alho negro. Eu já tinha ouvido falar mas não tinha dado muita importância. Outro dia zanzando no shopping Morumbi procurando um presente para o open house de uma amiga muito querida me deparei com o quiosque da Bombay (que se mudará em breve para o shopping market place*). Achei que seria legal presentear minha amiga com uma pimenta bem exótica. Fiquei muito na dúvida… ainda bem que havia degustação de pimentas, geléias de pimenta, azeites aromáticos e um tal alho negro em conserva. Provei uma fatia pequena do tal alho com uma torradinha e amei o sabor! Não tem nada a ver com o alho normal, é levemente adocicado e muito mas muito saboroso! Comprei dois potes de alho em conserva (um pra mim e um pra minha amiga) e também comprei uma cabeça de alho negro in natura, mais por curiosidade do que qualquer outra coisa.

alho negroProcurei na internet uma receita legal pra usar a novidade e encontrei este risoto – o blog objetos de Desejo é muito interessante e a receita é explicada de maneira super bem-humorada com dicas como cantar enquanto mexe o risoto para a felicidade passar para a comida. Uma graça! Achei que seria perfeito para o jantar especial que fiz outro dia (o dia do tiramissu**).

A receita menciona cogumelos fresco mas fiz o risoto com champignons em conserva por preguiça e por não saber cozinhar cogumelo fresco eheh pra facilitar. Comprei shitake também mas achei que o sabor não combinaria muito bem com o alho negro então deixei de lado. Eu não tinha azeite de trufas, usei azeite normal mesmo.  E preferi não usar salsinha. Na hora de montar o prato coloquei o risoto, salpiquei mais pedaços de alho negro (enfeita e realça o sabor do alho) e coloquei duas fatias de presunto parma. Adoro risoto com acompanhamento, ficou MUITO bom! Acho que um bom paillard de filé mignon também iria muito bem. Fica legal colocar um galhinho de alecrim pra decorar e também usar prato fundo – só que eu só tenho 2 desses pratos, vou precisar comprar mais pra receber os amigos! ahah

O risoto ficou uma delícia! U-huuu mais um gol de placa no meu hall da fama imaginário da gastronomia.

A minha amiga adorou o alho negro e está super convidada para saborear o risoto na minha casa. Graças a ela descobri o alho negro. Aliás, graças a ela aprendi a gostar de vinhos e a saborear carne ao ponto. Entre muitas outras coisas que aprendi com ela. Ah como é bom ter amigos / mestres não é ?

Grande abraço!

NOTAS:

* o quiosque da bombay spices já se mudou para o Market Place

** depois publico a receita do tiramissu que acabou ficando no blog antigo também.

Mania de cozinhar

Oi pessoal,

Eu aprendi a cozinhar muito tarde. Só sabia preparar um bom miojo, omelete simples, arroz essas coisas. Quando fui morar sozinha decidi fuçar um pouco mais, sabe como é. A gente precisa se virar!

Comecei com coisas simples como um bife acebolado. Na época me pareceu um grande feito e o sabor fica ótimo. Eu comprava a carne já cortada em bifes e temperava como meu pai fazia – com vinagre, alho e sal. Colocava num refratário e levava a geladeira pra deixar a carne pegando gostinho por umas  2 horas.

Descascar e cortar as cebolas também era uma aventura. O corte ficava horrível, de qualquer jeito. Mas não importava. Se eu conseguisse umas rodelas tava ótimo.

Pra fritar os bifes é importante fazer um de cada vez na frigideira. Um pouco de óleo basta. Deixar o lado de baixo fritar bem até ficar dourado. Virar pra fritar o outro lado. Colocar um pouco mais de óleo se necessário para o próximo bife e repita o processo. Pronto! Reservar os bifes.

Na mesma frigideira, colocar as cebolas. Eu tempero apenas com shoyu, já salga e dá sabor. Quando as cebolas murcharem já deve estar bom.

Servir as cebolas por cima dos bifes. Prontinho!

Eu servia esses bifes com meu arroz branco e me sentia uma grande chefe de cozinha. Fui pegando gosto pela coisa aos poucos, testando outras receitas. A internet está aí pra nos ajudar! Encontramos vídeos no youtube pra tudo. Lembro que minha mãe não conseguia fazer caramelo para acompanhar pudins. Ela não tinha ninguém pra perguntar e ficou sem saber. Outro dia fiz um pudim acetinado que minha mãe sempre fazia (delícia, depois coloco a receita aqui) e decidi fazer o caramelo. Procurei na internet e encontrei vários vídeos que explicam direitinho como fazer. Consegui um resultado ótimo e pensei que posso cozinhar muito mais coisas.

Agora gosto de cozinhar em todos os momentos especiais. É uma delícia cozinhar pra quem amamos. Como não tenho que fazer isto todos os dias, não chega a ficar aquela chatice de afazeres domésticos.

Recomendo a cozinhoterapia, é bem divertido! Tirando a parte de limpar toda a sujeira e lavar toda a louça… mas vale a pena!

linguini e remy

Abração e até a próxima!